Seguidores

QUEM SOU

Professor de Filosofia, gosto da palavra, que vem em forma de vivência, depois reflexão e, por fim, escrita (ou seria tudo junto, ao mesmo tempo?). Escrevo artigos, ensaios, livros e poemas. Abasteço meu pensamento em autores como Nietzsche, Schopenhauer e Hans Jonas e tento pensar sobre problemas que nos afetam sob esses espaços infinitos que nos ignoram.

Entre meus livros, estão os 3 volumes da Coleção Sabedoria Prática ("Sabedoria Prática", "Filosofia da Viagem" e "Elogio à Simplicidade", que já estão na terceira edição). Ano passado lançamos, Marcella Lopes Guimarães e eu, a Coleção Café com Ideias, cujo primeiro volume é "Diálogo sobre o Tempo: entre a filosofia e a história". Você pode encontrar no site: www.livraria.pucpr.br

Além disso escrevi "A solidão como virtude moral em Nietzsche"; "Para uma ética da amizade em Friedrich Nietzsche" e "Compreender Hans Jonas". Sou co-autor de: "Ética, técnica e responsabilidade"; "Vida, técnica e responsabilidade"; "Ética de Gaia"; entre outros.


Marcadores

Tecnologia do Blogger.

Pesquisar neste blog

terça-feira, 3 de janeiro de 2017







Na Turquia, às margens do Bósforo, um Papai-noel disparou contra uma boate lotada, onde dezenas de pessoas comemoravam a chegada do ano novo. Naquele salão, 39 corpos caíram sob pólvora assassina e outros 70 foram marcados pela dor da tragédia. No Brasil, a essa mesma hora, passava um pouco das oito da noite, e um outro atirador preparava-se para invadir uma casa e assassinar a própria família, incluindo seu filho de 8 anos, a ex-esposa e outras mulheres que ele chamou, perversamente, de “vadias”. O assassino de Campinas tirou a vida de 12 pessoas, reivindicando as honras de um “homem de bem”. Horas depois, no Amazonas, esse rincão desconhecido da pátria, 56 homens foram assassinados em uma das maiores matanças prisionais da história nacional. Dias antes, em pleno Natal, o vendedor ambulante Luiz Carlos Ruas foi espancado até a morte por dois jovens que também reivindicaram a honra de “gente boa”, embora tenham matado um homem porque ele, ao que tudo indica, defendera um homossexual que os dois primos agrediam no escuro de alguma esquina paulista.
 A contabilidade dos mortos dessas tragédias é, por si mesma, assustadora. A violência dos atos, o pavor dos acontecimentos, o terror dos relatos, a frieza dos assassinos... tudo soa hediondo e revoltante. Mais assustador ainda é o discurso que os legitima, o ácido do ódio que carcomeu os sentimentos dos assassinos e de quem os apoiou, posteriormente, nas redes sociais. Tudo junto, esse quadro de odiosidades forma uma imagem absolutamente pavorosa de nossos fracassos como nação. Diante desses fatos, nossos discursos de paz, direitos humanos, respeito às diferenças, amor ao próximo, liberdade de opinião e todas as outras locuções que fazem parte de nossos votos de final de ano, ficam sem valia. Ainda mais quando eles mesmos, na tal referência à pretensa “honra” e ao “bem”, viram argumento que, invertido, pretende legitimar a barbárie e angariar seus torpes adeptos.
No caso do Brasil, o discurso do ódio, pregado por políticos e autoridades em rede nacional, é parte da orquestra macabra que torna todos eles corresponsáveis pelas atrocidades sofridas diariamente por mulheres, estrangeiros, homossexuais, presos e outras gentes “sem importância”. A autoridade pública não deveria estar autorizada, em nenhuma hipótese, a essas prevaricações e a sociedade não deveria aceitar passivamente essas depravações, que levam o país a um absurdo estado de licenciosidade em relação aos direitos humanos. Não deveríamos aceitar o fato de que um deputado federal elogie um torturador em rede nacional com uma ironia cáustica; que se aplauda os reiterados discursos contra a igualde de gênero; que se pregue o ódio aos adeptos desse ou daquele partido; que se cale diante dos defensores da volta da ditadura e até mesmo que se aceite marchar ao seu lado em praça pública, sob o mesmo uniforme e os mesmos gritos de guerra; que não se revolte quando alguém se refere a uma das leis mais importantes na defesa das mulheres como “vadia da Penha” e outras alcunhas depreciativas; que se fale despudoradamente contra as cotas para negros, pobres e indígenas nas universidades sob a justificativa dos velhos privilégios; que se frequente as redes sociais sob o anonimato de codinomes para destilar intolerância, machismo, homofobia, xenofobia, fascismo e outras peçonhas... Uma tal sociedade nos faz a todos, pela omissão, corresponsáveis pela violência que se apoia nesses mesmos discursos e que é o seu produto mais acabado e mais terrível. Na conjuntura brasileira atual, tais atos se fundam no frequente e despudorado ataque à democracia (insistentemente enfraquecida pelos eventos de 2016), aos modelos educativos em vigor (em especial às disciplinas de humanidades), às políticas sociais afirmativas e a todo discurso dos direitos humanos, associados agora ao que a mídia vem chamando, na forma de um insulto, de “esquerdismo”.
O problema da violência, como muitos defendem, não é a crise econômica. O problema da violência é a crise ética e moral que afeta o nosso país de forma surpreendente e que se revela na omissão, nos discursos e nas atitudes cotidianas, muitas das quais aparecem travestidas daquele “bom-caratismo” reivindicado pelo assassino de Campinas. Por isso, os crimes desses dois dias de 2017 não são crimes isolados, porque estão costurados com os mesmos argumentos e são parte do retrato da crueldade cotidiana vivida por milhares de pessoas anônimas, violentadas e mortas uma a uma, sob o silêncio do Estado, ocupado consigo mesmo, os cortes de verbas, seus asquerosos conluios e seus jantares maiúsculos.
Um país que dissolveu, em primeiro ato do atual governo, o Ministério das Mulheres, dos Direitos Humanos, da Igualdade Racial e da Juventude e que tem seu primeiro escalão de governo formado apenas com homens brancos, velhos e ricos, é um país que se encontra despreparado para enfrentar um problema tão grave.
Enquanto continuarmos achando que as questões de gênero não podem ser discutidas em sala de aula, que direitos humanos é assunto de bandido, que a desigualdade na distribuição da terra e da renda é tema interditado nas pautas eleitorais, que os direitos das populações indígenas e afrodescendentes não é um assunto de todos, que a situação dos presídios não nos interessa... seguiremos no corredor da barbárie, com as mãos sujas de sangue. Como alternativa, é preciso retomar com urgência a luta contra as pautas conservadoras dos congressistas, a Escola sem partido, a depredação dos direitos trabalhistas, a elitização e seletividade da justiça e os cortes de investimentos em áreas sociais. Do contrário, vamos continuar contando os mortos sob o véu da nossa própria omissão e responsabilidade.






1 comentários:

Daniel Pereira disse...

A banalidade do mal é uma praga que já contaminou a sociedade contemporânea, em tempos não tão remotos da nossa história e volta com tudo no século XXI.