Seguidores

QUEM SOU

Professor de Filosofia, gosto da palavra, que vem em forma de vivência, depois reflexão e, por fim, escrita (ou seria tudo junto, ao mesmo tempo?). Escrevo artigos, ensaios, livros e poemas. Abasteço meu pensamento em autores como Nietzsche, Schopenhauer e Hans Jonas e tento pensar sobre problemas que nos afetam sob esses espaços infinitos que nos ignoram.

Entre meus livros, estão os 3 volumes da Coleção Sabedoria Prática ("Sabedoria Prática", "Filosofia da Viagem" e "Elogio à Simplicidade", que já estão na terceira edição). Ano passado lançamos, Marcella Lopes Guimarães e eu, a Coleção Café com Ideias, cujo primeiro volume é "Diálogo sobre o Tempo: entre a filosofia e a história". Você pode encontrar no site: www.livraria.pucpr.br

Além disso escrevi "A solidão como virtude moral em Nietzsche"; "Para uma ética da amizade em Friedrich Nietzsche" e "Compreender Hans Jonas". Sou co-autor de: "Ética, técnica e responsabilidade"; "Vida, técnica e responsabilidade"; "Ética de Gaia"; entre outros.


Marcadores

Tecnologia do Blogger.

Pesquisar neste blog

sábado, 23 de abril de 2016






O novo filme de Gavin Hood estreou essa semana na Inglaterra, com a sempre deslumbrante Helen Mirren, corajosamente grisalha como nunca. Eye in the sky, é um trailer enxuto e direto, com considerável carga emocional e uma aguda tensão em torno do uso de uma nova tecnologia de guerra, o drone. De um lado, o filme investe na “humanidade” dos personagens, nas suas motivações e dilemas; de outro, ele dá atenção às “máquinas” voadoras, que vão de aviões a aves e insetos de olho e aço. Dessa tensão, nasce o problema central da trama: as relações de poder entre quem pilota o drone e quem é vítima dele. O panorama é a luta contra o grupo terrorista al-Shabaab, da Somália. Gente de vários lugares do mundo, sentados em seus gabinetes e salas blindadas, coordenam uma ação secreta moldurada por máquinas aéreas que levam o olho da tecnologia para todos os lugares. Nessa guerra, tudo parece asséptico. Nenhum soldado em risco.  Nenhuma vítima colateral. Até que surge a garota de vermelho, vendendo pães. A menina pobre faz do filme um dilema moral, cujo tema perpassa as relações entre técnica e ética, entre máquina e ser humano. Hood toca, com isso, em um assunto tão delicado quanto polêmico. Seu filme parece uma faca de dois gumes.




Nenhuma área se dedica tanto à tecnologia quanto a indústria bélica. Nas suas reflexões sobre a técnica, Hans Jonas assinalou que na era pré-moderna, a tendência da tecnologia era permanecer por longo tempo como uma espécie de optimum de competência que garantia a um determinado grupo social a sua identidade cultural. Como uma posse e um estado, a tecnologia mudava pouco e tão lentamente, que a palavra revolução, aplicada a alguns desses contextos, torna-se imprecisa. A única exceção era a técnica bélica. Por razões óbvias, as novas tecnologias de guerra inventadas por um povo exigiam rápida absorção (e, de preferência, superação) por parte de seus inimigos. Tratava-se de uma exigência exterior e dela dependia a sobrevivência de um povo. Contra as armas de fogo, o arco-e-flecha tornaram-se rapidamente obsoletos. Contra canhões, as catapultas antigas pareceram piadas. Cavalarias substituíram as fileiras de soldados em solo. Depois vieram os submarinos, as armas tóxicas, os foguetes, as bombas de todo tipo, o uso de aviões em batalha e a famigerada bomba atômica. Ao contrário dos outros campos, na guerra, a tecnologia vive de revoluções, exige mudanças drásticas patrocinadas pela necessidade de sobrevivência. E seus impactos se diluem na nossa vida cotidiana de forma impressionante, desde os nossos fornos de micro-ondas até os agrotóxicos de nossas lavouras. Hoje o uso de drones na arte da guerra é uma novidade justificada com vários eufemismos, que azeitam os discursos de “ataques cirúrgicos” e “precisão de laser”. A guerra tem a exatidão das salas de medicina...
Drones são aparelhos não tripulados que nos deixam em uma cidade sem muros. Do alto, todos estamos desprotegidos. O Escritório de Jornalismo Investigativo, uma organização não governamental britânica, afirmou que em 2015, pelo menos 51 pessoas morreram no Paquistão vítimas de ataques americanos com esse tipo de equipamento, outras 46 no Iêmen e 7 na Somália. O recente livro do filósofo francês Grégoire Chamayou, intitulado Teoria do Drone comprova que essas maquininhas não são apenas brinquedos de tirar fotos. Chamayou mostra bem como guerra e progresso técnico estão intimamente ligados. O dilema, mais uma vez, está entre o poder e a responsabilidade. Hood mostra como um drone pilotado em longa distância quebra a vulnerabilidade de quem exerce o poder e, com isso, instaura uma nova lógica de guerra: o ataque só coloca em risco a vítima e estabelece uma distância entre a violência e o campo de comando. Diluem-se as responsabilidades porque minimizam-se as interferências e preservam-se os afetos. Depois das bombas, os militares dirigem seus carros para casa, onde dormem sem pesadelos, como se tudo não passasse de um jogo virtual.
De um lado quem brinca de videogame e de outro quem morre com as bombas. No meio deles, Hood colocou uma menina  vendendo pão para ajudar a família. Vestida de vermelho, ela roda o bambolê colorido. Pobre e negra ela circula entre terroristas armados, em plena zona de ataque. Na casa ao lado prepara-se uma ação que pode dizimar centenas de pessoas. Nos seus gabinetes, governos e militares enfrentam o velho dilema utilitarista: quanto vale a vida de uma garota diante das centenas de vida que poderão ser poupadas caso o ataque seja realizado? Estamos em terreno arenoso. O filme derrapa na indecisão. A trama parece estacionar. Ninguém decide. O soldado chora. A menina inocente, espera o seu cliente. Sua presença evoca os laços que o mundo da tecnologia desfez. Para Hood, ao que parece, o olho do drone não pode ser impassível à vulnerabilidade daquela criança.
De um lado os militares, a altíssima tecnologia da guerra e todos os seus monitores e lentes superpotentes projetados futuristicamente. De outro, a pobreza de um bairro de Nairóbi, os fundamentalismos e as violências de todos os dias, a poeira cinzenta de quem está aprisionado ao presente. O dualismo fácil é rompido pela criança casta e seus pães redondos. Ela parece saltar como uma interrogação no meio da nossa lógica de mundo. Sua presença há de parar as tecnologias de todas as guerras? E ela, há de sobreviver às violações diárias de seu próprio destino? O olho do alto - que é o olho de quem filma, o olho de quem vê o filme, o olho de quem pilota o novo poder, o olho de quem mata sem tocar – há de decidir nossos destinos? Até quando? A menina, na zona de ataque, é um estorvo moral para a tecnologia – não só a da guerra, mas todas aquelas que colocam em risco, cotidianamente, as relações humanas. A menina de Hood está parada no meio de nossas salas de aula, entre professores displicentes e estudantes seduzidos pelos celulares. A menina de Hood está parada na nossa sala de estar, em frente à televisão, enquanto a família, calada, se desconhece. A menina de Hood se detém na calçada, em frente ao sinal, enquanto nos atropelamos sem tirar o olho das nossas máquinas portáteis.
      De cima, um olho nos vê. Decide nossos destinos. Todo drone tem ganas de ser Deus, o olho que vê tudo. Ele está por todos os lados. Quem haverá de se salvar?


PS. No Brasil, ao que parece, o filme se chama "Decisão de Risco".





1 comentários:

Horacio Martinez disse...

boa reflexão, vontade de assistir o filme agora.